Segunda-feira, 20/ Setembro/ 2021
Veja as ultimas Noticias
Ministério Público Federal recomenda uso de Hiodroxicloroquina em tratamento contra a Covid-19 em Goiás

Ministério Público Federal recomenda uso de Hiodroxicloroquina em tratamento contra a Covid-19 em Goiás

O procurador da República Ailton Benedito se reuniu nesta semana com o secretário de Saúde de Goiás, Ismael Alexandrino e na pauta estava a atualização e a revisão dos protocolos de atendimento aos pacientes com Covid-19, em Goiás.

A base da reunião foi uma nota técnica emitida pelo Ministério Público Federal que, entre outros assuntos, aborda o uso de medicamentos como Hidroxicloroquina para o combate ao coronavírus.

O procurador chamou a atenção para a necessidade da revisão sistemática dos protocolos de atendimento. Os esforços, segundo ele, devem acompanhar a evolução da pandemia e o conhecimento científico acumulado.

O Ministério Público Federal informou que a Secretaria de Estado da Saúde dará início à revisão e atualização dos protocolos de atendimento a pacientes de covid-19.

Por meio de nota, a Secretaria de Estado da Saúde informou que o documento prevê uma série de protocolos, e não só os que se referem ao uso medicamentoso. “Desta forma, não significa que o Estado vai utilizar essas medicações, que não estão no esquema de tratamento”.

NOTA TÉCNICA

A nota técnica foi encaminhada a 117 municípios goianos e recomendou o uso de hidroxicloroquina no tratamento de pacientes com covid-19. O documento é assinada pelo procurador Ailton Benedito, com base em texto redigido por quatro profissionais de saúde: Ricardo Ariel Zimerman, Francisco Eduardo Cardoso Alves, Rute Alves Pereira e Bruno Campello de Souza.

 

“Os ensaios clínicos em humanos de hidroxicloroquina ainda têm dificuldade em estabelecer em definitivo sua utilidade como tratamento para Covid-19. Porém, já existem diversos estudos mostrando evidência de benefício em diversos graus, o que não significa comprovação de eficácia. Porém, está muito longe de significar ausência de evidência científica”, diz o texto.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

%d bloggers like this: